CUBATÃO PERDE OPORTUNIDADE DE SER A CAPITAL DAS BANDAS

Imprimir
Publicado em Sábado, 14 Janeiro 2012 Escrito por admin

No dia 21 de setembro, às vésperas da divulgação do caso das emendas secretas na Assembleia paulista, os deputados estaduais reuniram-se no plenário para debater matérias "em regime de urgência". Entrou para discussão um projeto de 2006, do ex-deputado Marcelo Bueno (PTB). Tema: conceder a Cubatão o título de "capital das bandas e das fanfarras" no Estado.


"Sob a proteção de Deus", o presidente da Casa declarou aberta a sessão. Barros Munhoz (PSDB) passou a palavra a Campos Machado (PTB): "Sr. presidente, sou amplamente favorável à aprovação desse projeto. Cubatão é uma cidade de trabalhadores, progressista e que quer se transformar na capital de bandas e fanfarras. Por falar em banda, vou tomar o trem da saudade. Vou viajar até a minha pequena Cerqueira César, encravada na Média Sorocabana...". O deputado continuou seu discurso com citações a igrejas evangélicas, Roberto Carlos e Revolução Francesa.
Atento à oratória do colega, o deputado Vitor Sapienza (PPS) pediu a palavra. "Existe no Estado de São Paulo uma lei que disciplina o concurso de bandas e fanfarras, de minha autoria", afirmou. "Também quero informar Vossa Excelência que o Colégio Jardim São Paulo, aqui na capital, foi campeão nacional do concurso de bandas. Orgulho-me de fazer parte de todo o sistema de bandas e fanfarras do Colégio Jardim São Paulo", completou o parlamentar.
Major Olímpio (PDT) entra na discussão, destacando que Cubatão atua há muitos anos no "segmento" das bandas e fanfarras, "com objetivo de resgatar uma forma muito importante de participação na formação moral dos indivíduos".
Com a participação de Rafael Silva (PDT), a discussão ganhou contornos filosóficos. Citaram Licurgo e Sócrates. Deram uma breve passada por Kant, mencionaram Descartes e aterrissaram na literatura do século 20, no Brasil, com Guimarães Rosa. Já eram quase nove horas da noite.
"Com todo respeito, mas a Assembléia não pode ficar horas e horas debatendo um projeto de lei que institui a cidade de Cubatão capital das Fanfarras do Estado", reclamou Edinho Silva (PT). Milton Vieira (DEM) também: "Tomara Deus que os meus filhos não estejam vendo, porque eu chego em casa e vou falar o quê?"

Depois de duas horas e meia de discussão, o presidente da Casa encerrou a sessão: "Desculpe, população de São Paulo pela posição vexatória em que nos colocamos hoje. Peço desculpas".
Anuência. Com mais de 500 projetos na fila para votar, a proposta das fanfarras foi a plenário com a anuência de todos os partidos, inclusive do governo do Estado. Era para ser aprovada em votação simbólica, mas acabou servindo como manobra de obstrução de Campos Machado.
O projeto de lei sobre as bandas e fanfarras não foi votado. Mas continua na pauta, esperando uma próxima sessão.

2011 CUBATÃO PERDE OPORTUNIDADE DE SER A CAPITAL DAS BANDAS. Afaban - Associação de Fanfarras e Bandas do Litoral Paulista
Powered by Joomla 1.7 Templates